Tao Te Ching - Change Your Thoughts, Change Your Life

Considered to be the wisest book ever written
with the potential to positively and forever change your life

Wayne Dyer analyses and writes a new version of the book "Tao Te Ching", which is based on the ancient teachings of Lao Tzu, a spiritual and philosophical teacher that lived in China. The "Tao Te Ching" was written 2500 years ago by Lao Tzu and even today, is still considered by many spiritual teachers as the wisest and most profound book ever written, one that changes perspectives about ourselves, others and the whole world.

Understanding the teachings in this book and putting them into practice can, in and individual and collective level, create a mental and spiritual revolution, transforming the world into one filled with equality, oneness, happiness, peace, harmony and love.

"The sage is kind to the kind,
and kind to the unkind,
because the Nature of its being
is kindness.
Be wise and help all beings impartially,
abandoning none"
Lao Tzu - Tao Te Ching

"Sages do not accumulate anything,
but give everything to others,
having more,
the more they give"
Lao Tzu - Tao Te Ching

 He who knows does not speak,
He who speaks does not know.
He who knows others is wise,
He who know himself is enlightened.

Lao Tzu - Tao Te Ching

* * *

"Change Your Thoughts, Change Your Life"
Living the Wisdom of the
Tao Te Ching

By Wayne Dyer

"This is a book that will forever change the way you look at your life, and the result will be that you’ll live in a new world aligned with nature. Writing this book changed me forever, too. I now live in accord with the natural world and feel the greatest sense of peace I’ve ever experienced."

"When you change the way you look at things,
the things you look at change."
Wayne Dyer


Five hundred years before the birth of Jesus, a God-realized being named Lao-tzu in ancient China dictated 81 verses, which are regarded by many as the ultimate commentary on the nature of our existence. The classic text of these 81 verses, called the Tao Te Ching or the Great Way, offers advice and guidance that is balanced, moral, spiritual, and always concerned with working for the good.

In this book, Dr. Wayne W. Dyer has reviewed hundreds of translations of the Tao Te Ching and has written 81 distinct essays on how to apply the ancient wisdom of Lao-tzu to today’s modern world. This work contains the entire 81 verses of the Tao, compiled from Wayne’s researching of 10 of the most well-respected translations of text that have survived for more than 25 centuries. Each chapter is designed for actually living the Tao or the Great Way today. Some of the chapter titles are “Living with Flexibility,” “Living Without Enemies,” and “Living by Letting Go.” Each of the 81 brief chapters focuses on living the Tao and concludes with a section called “Doing the Tao Now.”

Wayne spent one entire year reading, researching, and meditating on Lao-tzu’s messages, practicing them each day and ultimately writing down these essays as he felt Lao-tzu wanted you to know them.

This is a work to be read slowly, one essay a day. As Wayne says, “This is a book that will forever change the way you look at your life, and the result will be that you’ll live in a new world aligned with nature. Writing this book changed me forever, too. I now live in accord with the natural world and feel the greatest sense of peace I’ve ever experienced. I’m so proud to present this interpretation of the Tao Te Ching, and offer the same opportunity for change that it has brought me."

Mastering others is strength. Mastering yourself is true power.
When I let go of what I am, I become what I might be.
To the mind that is still, the whole universe surrenders.
At the center of your being you have the answer: you know who you are and you know what you want.
Lao Tzu - Tao Te Ching

Video introduction:

Change Your Thoughts, Change Your Life - A profound lecture by Wayne Dyer:

Watch the 5 parts of the video at:

Movie "The Shift" - Finding your life purpose and transforming your life:

Watch this amazing movie in the following link:

* * *

A few principles of the Tao Te Ching:

"The root of all suffering is fear, the root of all happiness is unconditional love"

"Let go and let God"

"More is less, less is more"

"See everything as miraculous"

"You accomplish much, by trying less"

"Do what you love and love what you do"

 "There is no way to happiness, happiness is the way"

"Happiness is not having what we want, but wanting what we have"

"It is when we die while we are alive, that we really start to live"

"Wisdom is knowing I am nothing, Love is knowing I am everything, and in between the two my life flows"

"The purpose of life is to live, and to live means to evolve into unconditional love, to be in peace, harmony, oneness and happiness"


Documentary - The Indigo Evolution

"The Indigo Evolution" is a documentary that attempts to answer the question - Are these 'Indigos' only the fanciful notions of a few individuals embracing new-age, metaphysical beliefs, or is there real evidence that they truly do exist? Most importantly, why are they here and how can we help them achieve their goal of creating a world based upon the laws of compassion and peace? Interviews with some of the most profound children on the planet today combined with discussions with authorities in the fields of medicine, psychology, education, philosophy, and religion will provide information for the viewer to draw their own conclusions to these questions.

'The Indigo Evolution' is a documentary about the shifting human, evolving beyond the five sensory perceptions into a multi-sensory being of light ! The term Indigo refers to the Indigo color Aura seen around certain individuals who exhibit certain enhanced abilities well beyond their age and learning. Commonly labeled as suffering from some kind of deficit (ADD, ADHD, Dyslexia ...) these children clearly have more of something most of us fail to recognize. Their non conformance to authority and the social conditioning sometimes earns them the label of being problem children.

Indigo Evolution, a feature-length documentary by James Twyman, was released Jan. 28, 2006 in more than 350 churches and wellness and spiritual centers around the world. The attendance far exceeded expectations, demonstrating how interest in understanding the "Indigo phenomenon" has grown. Indigo Evolution illuminates the lives of children who are referred to as "Indigos." The movie describes them as creative, eccentric and independent. Impatient with the status quo, these children possess a high degree of integrity and intuition. Many are both intelligent and gifted, often in the areas of art and technology, and some are said to bring healing gifts.

According to Indigo Evolution, Indigos often sound very wise for their age; however, they are very sensitive physically, emotionally and spiritually, and not always comfortable in their own bodies. They easily experience sensory overload to lights, smells, sounds, touching and toxins, and need help in becoming grounded. Many Indigos have attention and social problems in school and may frequently correct the teacher. While their behaviors vary, their philosophy of life is consistent; they have a high level of social consciousness and desire to make the world a better place. They are here to bring the Dawn of the Golden Age!

About the Filmmakers:
James Twyman (Producer / Director) is a singer/songwriter and the author of "Emissary of Love-The Psychic Children Speak" and "Messages from Thomas: Raising Psychic Children." James wrote and was the Executive Producer for the movie INDIGO which premiered in January 2005.

Stephen Simon (Executive Producer) has produced such films as "Somewhere in Time" and "What Dreams May Come" and is the author of "The Force is With You: Mystical Movie Messages That Inspire Our Lives."

Kent Romney - (Co-Producer / Co-Director) This is Kent's first feature documentary as a Director and Producer. In recent years, traveling to distant lands and cultures of our world, he worked on production teams that created film and television projects shown on The Discovery Channel, National Geographic, ABC Primetime and other broadcast networks. As a filmmaker, he creates video and film projects reflecting his interests in adventure travel, social topics, cultural issues and spiritual growth.

Doreen Virtue - (Associate Producer) holds M.A. and Ph.D. degrees in counseling psychology, is the author of more than 20 books about angels, chakras, Crystal Children, Indigo Children, health and diet, and other mind-body-spirit issues. She is recognized as an expert in the area of Indigo Children and her books on the subject include "The Care and Feeding of Indigo Children" and "The Crystal Children."

Purchase the DVD here:

Overdose: The Next Financial Crisis

'Overdose' is the story of the greatest economic crisis of our age - the one that awaits us.   

In times of crisis people seek strong leaders and simple solutions. But what happens when their solutions are identical to the mistakes that caused the very crisis?

The documentary traces the origins of the financial crisis and explores the eerie similarities with today's situation, where states like Greece, Iceland and even the U.S. seems to be in danger of collapsing.

Among those interviewed are experts who were mocked when they predicted the current crisis. Other interviewees include Nobel laureate Vernon Smith and former US Comptroller General David Walker (I.O.U.S.A).


Eco-villages and Permaculture - The way to change the world

Eco-villages and Permaculture have a powerful and positive philosophical and practical vision to transform humankind and the world, to one where we can live sustainably and in harmony with each other, with all living beings and the Earth.

In here we present some information regarding the Eco-villages and Permaculture philosophies and perspectives, and how it is shaping a new positive way of living with ourselves and the Earth.


Ecovillages are urban or rural communities of people, who strive to integrate a supportive social environment with a low-impact way of life. To achieve this, they integrate various aspects of ecological design, permaculture, ecological building, green production, alternative energy, community building practices, and much more (...).

More information:

Global Eco-village Network:

Findhorn ScotlandHuehueCoyotl Mexico
Findhorn, ScotlandHuehueCoyotl, Mexico


Permaculture (the word, coined by Bill Mollison, is a portmanteau of permanent agriculture and permanent culture) is the conscious design and maintenance of agriculturally productive ecosystems which have the diversity, stability, and resilience of natural ecosystems. It is the harmonious integration of landscape and people — providing their food, energy, shelter, and other material and non-material needs in a sustainable way. Without permanent agriculture there is no possibility of a stable social order.

Permaculture design is a system of assembling conceptual, material, and strategic components in a pattern which functions to benefit life in all its forms.

The philosophy behind permaculture is one of working with, rather than against, nature; of protracted and thoughtful observation rather than protracted and thoughtless action; of looking at systems in all their functions, rather than asking only one yield of them; and allowing systems to demonstrate their own evolutions.

More information:


The purpose of Eco-villages and the GEN network:

A must see - Full documentary "Ecovillage Pioneers":

A must see - Full documentary "Living in the Future":

For more informations visit the link: http://livinginthefuture.org

A must see - Documentary "A New We":

Controlling Our Food: Future of Food + The World According To Monsanto

Genetically Modified Organisms represent the worst danger for the environment, animals and humanity.

The Future of Food:

There is a food revolution happening in America today. People are seeking out farmers markets, organic produce and good restaurants. At the same time, our food supply is increasingly controlled by multi-national corporations. Over the past 10 years, with the advent of genetic engineering and the massive expansion of pesticide companies, like Monsanto, into the seed business, the very nature of our food system has radically changed with potentially disastrous effects on our food security. Patenting of life is now permitted, no labeling of genetically modified organisms (GMO's) in food is required, research is conducted on these issues by universities beholden to the "agri-corps" who fund them, and the major regulatory agencies are run by former execs from these very companies.

All the while, the average citizens remain blissfully unaware that they are eating GMO food and supporting the aggressive "corporatization' of their food sources. In fascinating and accessible terms, 'The Future of Food' illuminates the major issues ultimately affecting us all -- some surreal, some futuristic, many frightening. Yet, 'The Future of Food' is a hopeful film, featuring insightful and moving interviews with farmers, agriculture and business experts and policymakers. It sees a future in which an informed consumer can join the revolution by demanding natural, healthy food sources that insure environmental integrity.

The World According To Monsanto:

A great documentary exposing the criminal agricultural corporation called Monsanto and the story of Roundup and Roundup Ready Soybeans. This documentary makes an in-depth investigation into unlabeled, patented, genetically engineered foods that have quietly made their way onto grocery stores in the United States for the past decade. It voices the opinions of farmers in disagreement with the food industry and details the impacts on their lives and livelihoods from this new technology, and shines a light on the market and political forces that are changing what we eat.

The film decries the cost of a globalized food industry on human lives around the world and the environment, highlighting how international companies are gradually driving farmers off the land in many countries. Potential global dependence of the human race on a limited number of global food corporations is discussed, as is the increased risk of ecological disasters -- such as the Irish Potato Famine (1845--1849) -- resulting from the reduction of biological diversity due to the promotion of corporate sponsored monoculture farming.

The issue of incorporating a terminator gene into plant seeds is questioned, with concern being expressed about the potential for a widespread catastrophe affecting the food supply, should such a gene contaminate other plants in the wild. Legal stories reported by the film related how a number of farmers in North America have been sued by Monsanto; and the defendant of the Monsanto Canada Inc. v. Schmeiser case is interviewed.

Documentário: Dieta para uma nova América

Um documentário muito interessante e relativamente antigo sobre os graves problemas éticos, ecológicos e de saúde que implica comer animais, apresentando alternativas para se ter uma alimentação mais saudável, ética e ecológica.

Para mais informações: 

How an autistic young girl can change the world

Autistic Girl Expresses Unimaginable Intelligence

Documentary Vaccine Nation - What are the dangers of vaccines?

A documentary that shows the real dangers for the health that some vaccines can cause.

About the documentary:

At the end of the eighteenth century, British physician Edward Jenner, with highly questionable medical credentials, initiated the theory and practice of live virus immunization that continues to serve as the scientific basis for the ever increasing vaccination of the world's citizens. With the number of vaccinations given to infants and children rising, kids are receiving doses of toxic mercury and other heavy metals well above environmental safety levels.

Yet the medical evidence is clear. Mercury, known as thimerosal, and other heavy metal additives are highly toxic and threaten children with neurological damage. The long-term efficacy of global vaccination remains controversial, inconclusive and is suspect in light of the powerful corporate interests, lobbying efforts, and profits associated with a multi-billion dollar vaccine industry..

In his documentary film Vaccine Nation, award-winning investigative film director Dr. Gary Null challenges the basic health claims by government health agencies and pharmaceutical firms that vaccines are perfectly safe. This is one of the most critical questions facing today's children and future generations to come. If inoculation with a large regimen of vaccines is safe, what can account for the rapid increase in autism and other mental disabilities that are now at epidemic proportions? And why isn't the sudden onset of neurological illnesses in children being treated as an urgent crisis by our government and medical industries?

Weaving together interviews with many of the nations most expert medical researchers, private physicians specializing in autism, parents of children victimized by immunization, congressmen, vaccination activists, legal authorities and more, Vaccine Nation will awaken viewers to one of the continual perils to the health and future of children.

A wonderful world: A beautiful nature video


Crisis Is an Opportunity for Transcendence

Daphne Rose Kingma is a psychologist and the author of the bestsellers "Coming Apart", "The Men We Never Knew", and "The Future of Love".

Her recent book, "The Ten Things to Do When Your Life Falls Apart", looks straight into the predicaments so many face and then offers ten deceptively simple yet profoundly effective strategies for addressing despair on practical, emotional, and spiritual levels.

Daphne offers the tools to face and learn from whatever devastating life crises we may be navigating, to come to the larger truth of our lives. Her compassionate insight provides a security blanket for tough times. http://the10thingsbook.com

A necessidade inata de partilhar.


A necessidade inata de partilhar

O ser humano não é uma ilha. Embora passe por diferentes fases e etapas, geralmente busca alguém que possua as características que necessita para o seu equilíbrio.
A pergunta que na maior parte das vezes não é feita de forma consciente é : “ O que é que aquela pessoa tem que eu quero?” ou “ O que quero ir buscar àquela pessoa ?”.
Para além da atracção física ou de algum aspecto da personalidade, existem sempre características subliminares que nos fazem ir de encontro a alguém, como por exemplo a independência que alguém demonstra, a alegria, a inocência, a irreverência, a atenção e carinho, o “problema” que alguém demonstra ser ou ter, enfim...basicamente o que define a sua estrutura energética. Existem outras características, ao nível mais consciente, como a beleza, os traços mais evidentes da personalidade, a atracção física, o poder e estatuto, dinheiro ou até a família da pessoa focada. A partilha é uma bênção, não deverá ser um fardo.

Défice versus Plenitude

Sem se aperceberem, a maior parte das pessoas juntam-se pelo défice, não pela plenitude. Na realidade, tal quer dizer que quase sempre inconscientemente tenta-se buscar no outro aquilo que por qualquer motivo ainda não se tem ou que se perdeu algures pelo caminho. Em vez de se partir cheio, pleno para assim se poder doar, partilhar, o ser humano tende a avançar para uma relação com a expectativa de preencher o vazio que nele mora. Se por um lado estar com alguém pode ser uma variável catalisadora e motivante para avançar interiormente, por outro lado cai-se no erro de tomar a parte pelo todo, ou seja, alguém que deveria ser um complemento, o culminar do consolidar consciêncial e energético torna-se numa falsa “tábua de salvação”, numa “bengala emocional”, num “tapa buracos”. A questão é que o buraco que se tenta tapar é muitas vezes grande demais e só através do interior de cada um, dum percurso reflectivo e introspectivo, poderá ser removido e superado. Tal implica mudanças de hábitos e rotinas, alterações de padrões mentais e duma postura totalmente diferente perante nós próprios e perante a vida. Esse buraco tem quase sempre raízes na infância de cada um, onde a educação construiu o “modo operandis” mental e psicológico do adulto que se apresenta hoje ao mundo.
Há medida que o tempo vai passando, o buraco vai ganhando outra dimensão através dos traumas afectivos, e não só, e dos hábitos menos bons que se vai coleccionando, tal como relações puramente carnais, fuga do compromisso, rejeições de parte a parte, entre muitas outras condicionantes. O cerne da questão não é alguma destas situações acontecer, mas sim a sua repetição “tipo padrão” ao longo do tempo, sendo que a única variável que se altera é a face da pessoa em causa. Até ao que não é bom para si, o ser humano se habitua.

Relacionar ou complicar ?

De facto, o que acontece muito nos dias que correm é um jogo de poder, em termos energéticos. Tudo no Universo é energia. Uma relação afectiva é igualmente um processo energético. A primeira lacuna de que me apercebo é a falta de diálogo e tolerância entre os casais. Fala-se pouco, exige-se demasiado. Estando vazio, em vez de doar a minha mais valia, tento “sugar” energeticamente o outro. O outro, provavelmente estará como eu. Adivinham o resultado desta situação ? Muitos seres humanos ainda não compreenderam que realmente, ninguém é de ninguém e cada um está na vida do outro até ao momento que tem de estar.
Esta sim, é uma enorme verdade que tantas vezes doi admitir. Aqui, o apego tem um papel preponderante, senão vejamos : todos os mestres apelavam ao desapego. Não o desapego que nos remete para a miséria ou para a alienação, mas sim o desapego saudável que nos permite sentir bem connosco próprios e com o mundo, independentemente de quem saia ou entre na nossa vida. Evidentemente, há laços afectivos e energéticos que vão sendo criados de forma natural entre duas pessoas que se relacionam, no entanto, se a base estiver consolidada, no momento do “adeus” em vez do drama, dar-se-á lugar a um “luto” saudável, a uma lufada de ar fresco, a uma nova oportunidade.
O que busca numa relação ? Esta é uma pergunta importante. Muitos entram para uma relação, com a mesma postura que têm perante a vida, ou seja, sem perceberem o seu papel, sem definirem objectivos e o que pretendem aprender, viver e sentir. Não se apela aqui a uma excessiva intelectualização ou stress emocional, muito pelo contrário, remete-se para a responsabilização, consciência e atenção. Quem vive sem atenção, coloca a sua energia, o seu poder pessoal em mãos alheias, não assumindo o comando da sua existência e dos seus processos interiores.
Apesar do desafio que é lidarmos com alguém e que, concerteza, tem os seus momentos menos fáceis, uma relação pretende-se descomplicada, simples e portadora de bem estar.
Lembre-se sempre desta preciosa máxima : A qualidade duma relação mede-se pelo bem estar que nos proporciona.  

Quando chega o adeus

Há duas possibilidades : Alimentar a vitima ou alimentar o processo de renovação. Como já foi referido, há laços que se criam e não podem ser ignorados. Na fase inicial da relação parece que se toma um elixir à “prova de terramotos”, normalmente a pessoa sente-se forte, completa, una com tudo e com todos. Com o final da relação, a falsa capa é despida e tudo vem ao de cima de forma ainda mais violente e impiedosa. Uma das lacunas mais frequentes acontece quando “os fantasmas do passado” ainda não estão enterrados. Procura-se alguém que milagrosamente seja uma panaceia para algo ou alguém que ainda não se conseguiu superar, olhar de frente, “digerir”. Acredito que nada acontece por acaso e que pessoas que se cruzam na vida de cada um, têm um papel recíproco a desempenhar, independentemente do tempo que lá permanecem. Quem tem toda a sua energia direccionada para o outro ignorando o resto do mundo, tem muito mais propensão a cair no vazio e no desespero. Amigos, família e ocupações que preencham a pessoa, são vitais para que o Universo de alguém não desabe subitamente.
Por mais pancadinhas nas costas que se dê, não há antídotos para passar. Assumir com coragem a dor, o luto e a perca (de alguém que na verdade nunca nos pertenceu), é mesmo a forma mais rápida e eficiente de superar e voltar a sorrir. Fingir que nada aconteceu, cultivando processos de revolta, ódio e mágoa, é um desgaste energético demasiado penoso para abraçar. Chorar, rir às gargalhadas, dar murros nas paredes e dizer todo o tipo de barbaridades pode ser, numa primeira fase, uma catarse de vital importância, após a qual um respirar profundo e uma “rendição”, se apresentará como o inicio de um novo amanhã.


(Este é um artigo dividido em duas partes (sendo esta a 1ª), que pretende uma abordagem geral do processo relacional. Nesta 1ª parte aborda-se o contexto geral dos pressupostos relacionais.
No próximo mês publicaremos a 2ª parte do artigo, onde abordaremos dicas úteis e preciosas que abrangem vários cenários dentro das relações afectivas)   

In Zen Energy, por Rodrigo Belard

A necessidade inata de partilhar – Parte II

Na primeira parte deste artigo abordei alguns aspectos que considero vitais para um processo relacional saudável, pautado por um crescimento a dois.

De facto, nos tempos que correm em que a principal crise é a de valores, é urgente redefinir prioridades e assumir o poder pessoal que mora no interior de cada um.

Partilhar o que não se tem é, normalmente, complicado.

Como conselhos não se dão, deixo aqui algumas referências gerais que têm, concerteza, relevância se pretende que a sua vida afectiva seja, no mínimo, uma partilha saudável com base no crescimento mútuo.

Dividirei estas reflexões em três fases:

    ” O Inicio” - para quem aspira a “estar com”
    “Na Acção” - para quem “está com”
    “No Final” - para quando chega o momento da partida.

O INICIO - Apaixonou-se ?

Analise que tipo de sentimento é esse a que chegou. Tem como base e consequência as suas feridas não curadas, ou é algo genuíno? Está na moda falar em Amor, mas poucos o sentem. Não brinque consigo nem com o próximo. As pessoas sofrem, sabe?
Entrar no jogo do gato e do rato pode até ser engraçado e, até certo ponto, faz parte do processo. No entanto, algures num momento não muito distante, opte sempre por ser quem é. Goste sempre mais de si. Sem auto estima e amor-próprio, será um avião de emoções em queda livre. Além disso, ninguém gosta da companhia de mártires.

Agrade, sem abdicar de si e de quem é. Não necessita de se anular. Se gostarem mesmo de si, será pelo que é, não pelo seu emprego, condição social, presentes que dá, roupa que traz vestida ou pelas birrinhas que alimenta.
Se não está bem consigo próprio, se a sua própria companhia o incomoda, a bengala emocional ou tábua de salvação que encontrou em breve estalará. Será só uma questão de tempo. Semelhante atrai semelhante.

O que pretende da vida? O que pretende de si? O que pretende dessa possível relação?

Se por um lado é sensato aguardar pelo feedback da outra parte, por outro lado, use a espontaneidade e surpreenda. Os grandes feitos e conquistas foram quase sempre executados por quem ousou ir mais além.

O seu mundo desaba com a possibilidade de um “não”? Se sim…não é bom sinal.
Se não sabe bem o que quer, saber o que NÃO quer, é já um bom começo.
A seu tempo, conheça a família da outra parte. Existindo excepções, costuma ser um excelente indicador.

NA ACÇÃO – Durante o relacionamento

Tal como referi na 1ª parte do artigo...a qualidade duma relação mede-se pela paz que esta proporciona a ambos.

Por vezes um NÃO ao outro é um SIM a si e/ou à relação. Não alimente processos doentios ou birrinhas demagógicas. Pense também em si, antes de se “afundar” ou “dissolver” em alguém. Partilha sim. Exclusão, humilhação e sufoco...não, obrigado.
Apesar de poder limar algumas arestas e fazer algumas cedências, lembre-se que por mais que “goste” de alguém, deverá sempre gostar mais de si. Caso contrário, ficará sem chão rapidamente ou entrará num trapézio sem rede.

Sente-se atraído ocasionalmente por outra pessoa? Não se culpe por isso. O outro lado passa pelo mesmo, embora não o admita. É um processo natural e biológico.
Habituou-se a certos comportamentos que até já acha “normais”? Cuidado...até ao que não é bom o ser humano se habitua.
Quem está mal, muda-se. O problema não tem de estar em si. Poderão não estar na mesma ressonância, na mesma onda. Acha que vale a pena apostar ainda mais?

Talvez...não espere é pela consulta ao psiquiatra. Onde o diálogo não existe, existe apenas o vazio.
Reflicta, sem queimar os neurónios, sobre o que a/o mantém nesta relação. Resolveu interiormente as lágrimas que lhe foram provocadas e que também provocou?

A sua relação corre às mil maravilhas? Ainda bem. Lembre-se é de estar sempre disponível para a mudança, para o mistério e para o risco. A única garantia é que não há garantias de nada neste Universo. O apego será um dos seus maiores obstáculos. Se estiver bem consigo, os terramotos abanarão a casa, mas não a destruirão.

Encontre um meio termo saudável. Goste do seu umbigo, mas embale também a alma de quem partilha a sua vida.

NO FINAL – E agora?

Um NÃO é um NÃO. Tenha a coragem de o dizer e de o ouvir. Sinta o que motiva realmente uma ou ambas as partes a caminhar noutra direcção.
Há momentos para se entregar, para lutar e para deixar ir. Seja realista e opte por um.

Não caia no erro de fingir que nada está a acontecer. Ninguém é de ninguém, logo, como pode perder alguém que nunca possuiu? Assuma a sua decisão e/ou os factos, e exteriorize o que sente. Chore, grite, ria, bata na parede e parta pratos. Opte por viver o seu luto durante 2 meses. É sempre melhor do que cambalear durante 2 anos.
Nem tudo depende de si. Deixe a vida fluir. No Universo não existem coincidências. Por mais e melhor que tenha feito...há buracos que não podem nem devem ser tapados e/ou ignorados.

Tem 2 opções, esteja do lado em que estiver da fronteira: ou sente e encara a situação como um drama, um cataclisma nuclear irreversível, ou abraça a oportunidade de mudança, mesmo que inicialmente dolorosa.
Rodeie-se de amizades genuínas e que possam servir de suporte para o momento que está a passar. O isolamento não é fácil de digerir e vai sentir o seu peso.

O medo perde a força assim que o decide olhar nos olhos. Seja ele qual for, olhe-o bem de frente e com a cabeça bem erguida!

In Zen Energy, por Rodrigo Belard

Viver o Aqui e Agora.

Muitos de nós vivemos ainda de recordações, boas ou más, como estamos habituados a classificá-las, revivendo o herói ou a vítima, consoante o caso.
Deixamo-nos ir, ao correr da maré, sem grandes questões interiores, vivendo um dia a seguir ao outro, automaticamente, interrompendo o processo, normalmente quando alguma coisa nos perturba, algum problema nos assola e nos sentimos obrigados a tentar encontrar uma solução.

Outras vezes sonhamos acordados, imaginamos como seria bom se tivéssemos isto ou aquilo, o que mudaríamos na nossa vida, pensando em transformações que aumentam a nossa qualidade de vida, tal como estamos habituados a considerar neste mundo dualista em que vivemos.

Há alturas em que tentamos, quase desesperadamente, controlar os nossos corpos – Mental, Emocional e Físico, mas o Ego, sempre atento, desvia-nos a atenção para detalhes nos quais não queremos pensar, mas nos quais, inevitavelmente, acabamos por cair. Os nossos pensamentos, desejosos de acção cansam-nos, muitas vezes, com a insistência com que nos invadem.

Quando estamos a realizar uma tarefa rotineira, ligamos o “piloto automático” e deixamos que o Ego utilize os corpos a que não estamos atentos. Se não estivermos no Agora, ao fim de um certo tempo a realizar a mesma tarefa (descascar fruta e cortá-la para salada, por exemplo), o nosso corpo Emocional começa a fazer-nos pensar que estamos fartos. Simultaneamente, o nosso corpo Mental é chamado a decidir o que pensar daquela emoção. Na verdade, o nosso corpo Físico esteve sempre a cumprir a mesma tarefa.

Quem já teve um vício do qual tentou livrar-se, sabe bem que frases como “Amanhã começo mesmo”, ou “Sempre fui assim … não vou conseguir” se tornam pensamentos comuns e permanentes, até chegar o dia em que se chega à conclusão de que se pode começar quando se quer, e o pensamento é substituído por “Por que não começo agora?”, por exemplo.

No dia e hora em que se toma a consciência de que o único momento que existe é o Presente, o Agora, revela-se uma realidade superior, divina, transcendente. Começa uma nova faceta da nossa caminhada em direcção à expansão espiritual.

O único momento que existe é o agora. Passado e Futuro não mais são do que apoios do Ego.

É necessário ter presente que não existem limites, que somos divinos. Não existe nada que alguém possa saber que a pessoa ao lado não saiba também. No fundo sabemos que estamos todos ligados mas, na prática, vamo-nos esquecendo.

A nossa identificação com a mente cria uma divisão opaca de conceitos, rótulos, imagens, palavras, juízos e definições, que bloqueia todo o relacionamento verdadeiro. Interpõe-se entre nós próprios, entre nós e o próximo, entre nós e a nossa natureza, entre nós e Deus.

É esta divisória de pensamento que gera a ilusão de afastamento, a ilusão de que existimos nós e um “outro” completamente distinto. Nessa altura esquecemos o facto essencial de que, sob o nível da aparência física e das formas separadas, somos unos com tudo o que existe.

A mente é um instrumento maravilhoso se usado adequadamente. No entanto, quando utilizada de forma errada, torna-se muito destrutiva. Não se trata tanto de usarmos a mente de forma errada; em geral, nem sequer a utilizamos. Ela é que nos utiliza. É esta a doença. Acreditamos que é a nossa mente.

A liberdade começa com a confirmação de que não somos o “pensador”.

No momento em que começamos a observar o pensador, desperta um nível superior de consciência. Nessa altura, começamos a perceber que existe um vasto domínio de inteligência além do pensamento, que este é apenas um ínfimo aspecto dessa inteligência.

Entendemos também que todas as coisas que realmente importam (a beleza, o amor, a criatividade, a alegria, a paz interior) nascem de além da mente.

Texto de Manuela Palmeirim

Documentary: The Beautiful Truth - A cure for cancer?

Raised on a wildlife reserve in Alaska, 15-year-old Garrett was interested in the dietary habits of the farm animals. After the tragic death of his mother, Garrett's father decided to home-school his son and assigned a book written by Dr. Max Gerson that proposed a direct link between diet and a cure for cancer.

Fascinated, Garrett embarks in this documentary on a cross-country road trip to investigate The Gerson Therapy. He meets with scientists, doctors and cancer survivors who reveal how it is in the best interest of the multi-billion dollar medical industry to dismiss the notion of alternative and natural cures.


Movies: You Can Heal Your Life + The Shadow Effect.

Louise Hay: You Can Heal Your Life

This entertaining and inspirational movie based on the best-selling book of the same name is hosted by author and teacher Louise L. Hay. This film gives penetrating insights into Louise's fascinating personal story; and shows how her views on self-esteem, abundance, and the metaphysical causes behind physical ailments were developed. It also reveals how she applied these concepts to her own emotional, spiritual, and professional life.

A number of luminaries in the fields of self-help, philosophy, health, spirituality, and New Thought join Louise, giving their take on success, happiness, and the myriad ways in which people can heal their own lives. And there are also gripping firsthand accounts from others who have been positively affected by Louise's work.


* * *


An Interactive Movie Experience Featuring:
Debbie Ford
Marianne Williamson
Deepak Chopra
James Van Praagh
Mark Victor Hansen

Be uplifted by the power that is hidden beneath the surface of your conscious mind. Take this emotionally gripping, visually compelling journey into your mysterious shadow self—the hiding place for your most disliked thoughts, emotions, and impulses—and discover how by embracing your worst fears, you can step into your greatest self. Be transformed by Debbie Ford, the #1 New York Times best-selling author and internationally acclaimed expert on the human shadow, as well as some of the most brilliant and evolutionary thinkers of the 21st century. Be inspired to uncover the wisdom in your wounds, the blessings in your misfortunes, and the gifts that are waiting to be claimed where you may least expect them . . . in the dark.

In this groundbreaking and revolutionary interactive movie experience, be guided through eight transformational exercises to uncover, own, and embrace what has been hidden in the dark—keeping you from stepping into your greatest dream. If shadows could talk, they would tell you that there is gold to be mined in every experience.



The Story of Broke - Political corruption and wasted money

From the makers of "The Story of Stuff"

The United States isn't broke; we're the richest country on the planet and a country in which the richest among us are doing exceptionally well. But the truth is, our economy is broken, producing more pollution, greenhouse gases and garbage than any other country. In these and so many other ways, it just isn't working. But rather than invest in something better, we continue to keep this 'dinosaur economy' on life support with hundreds of billions of dollars of our tax money. The Story of Broke calls for a shift in government spending toward investments in clean, green solutions—renewable energy, safer chemicals and materials, zero waste and more—that can deliver jobs AND a healthier environment. It's time to rebuild the American Dream; but this time, let's build it better.

Know more: http://www.storyofstuff.org/movies-all/story-of-broke